• quarta-feira , 30 julho 2014

Despachante


Despachante – Como abrir um despachante

A pessoa interessada em abrir um despachante de documentos e licenciamento de veículos deve se inscrever em cursos específicos, geralmente promovidos pelas secretarias estaduais de segurança pública, e prestar concurso para obter uma licença no Detran local.
Embora o forte nesse negócio sejam documentos para motoristas, os escritórios costumam diversificar os serviços prestados, providenciando certidões de fóruns e outros documentos para pessoas físicas e jurídicas.
Outra opção é oferecer convênio para empresas que mantêm frotas de veículos, com o objetivo de ganhar em escala.
Quem procura um despachante quer rapidez no serviço prestado, por isso é importante ter um escritório equipado com computador e acesso à Internet, para agilizar o licenciamento no Detran.
O mês de menor movimento é janeiro, quando não há licenciamento de veículos.

Embora ainda haja demanda no mercado para o serviço prestado pelos despachantes, a tendência de modernização e simplificação dos serviços públicos representa uma ameaça para este segmento. Cada vez mais, os órgãos públicos federais, estaduais e municipais implementam ações para desburocratizar a prestação de serviços e facilitar a vida do cidadão. Segundo o Sindicato dos Despachantes Documentalistas do Estado de São Paulo, o estado já perdeu mais de 20 mil profissionais nos últimos anos. Hoje, os despachantes paulistas não passam de 6 mil.
Outro problema enfrentado pelo setor é a concorrência direta de bancos e concessionárias de veículos, que oferecem gratuitamente o licenciamento de veículos para os clientes. Outros concorrentes são os contadores autônomos e escritórios de contabilidade, que atuam na prestação de serviços a pessoas jurídicas junto aos órgãos de registro e arrecadação do governo. Devido ao risco intrínseco ao negócio, recomenda-se a realização de ações de pesquisa de mercado para avaliar a demanda e a concorrência. Seguem algumas sugestões:
• Pesquisa em fontes como prefeitura, guias, IBGE e associações de bairro para quantificação do mercado-alvo;
• Pesquisa a guias especializados e revistas sobre o segmento;
• Visita aos concorrentes diretos, identificando os pontos fortes e fracos dos estabelecimentos que trabalham no mesmo nicho;
• Participação em seminários especializados.

Investimento em equipamentos e instalações: R$ 3.000 (máquina de escrever para escritório, calculadora de mesa e computador com acesso à Internet). Exige ainda: carro, telefone, fax e sala para escritório

Capital de giro: R$ 1.000 / Faturamento médio mensal: R$ 3.000
N° mínimo de pessoas trabalhando: 3 (o dono, 1 auxiliar de escritório e 1 office-boy)
Risco: Alto

Artigos relacionados

Deixe um Comentário